Reparo de gênero na tecnologia: diversidade na TOPdesk

diversidade de gênero
TOPdesk Brasil

TOPdesk Brasil

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher 2022, estamos defendendo as mulheres na tecnologia. As mulheres ainda são extremamente subrepresentadas na área  de tecnologia. E isso precisa mudar. Descubra como as mulheres na TOPdesk se sentem em relação à diversidade de gênero e como podemos contribuir para diminuir a diferença de gênero na tecnologia. 

A diferença de gênero na tecnologia

As mulheres na tecnologia ainda não são muitas. Em 2021, apenas 25% da força de trabalho de tecnologia dos EUA eram mulheres, embora as mulheres em geral representassem quase metade da força de trabalho total do país. As mulheres negras compõem ainda menos a força de trabalho de tecnologia: apenas 3% dos empregos relacionados à computação são ocupados por mulheres negras, por exemplo. 

Mulheres trans e pessoas não-binárias na tecnologia são ainda mais difíceis de encontrar: na verdade, um relatório do TrustRadius Women In Tech de 2021 nem teve pessoas entrevistadas não-binárias suficientes para tirar conclusões definitivas sobre sua representação na tecnologia. 

As poucas mulheres que trabalham em tecnologia enfrentam obstáculos diariamente: de acordo com a TrustRadius, 72% das mulheres em tecnologia são regularmente superadas em número por homens em reuniões de negócios, com algumas mulheres relatando serem superadas em uma proporção de 5:1. E ainda mais, 78% por cento das mulheres, sentem que precisam trabalhar mais do que seus colegas de trabalho homens para provar seu valor. 

Mas as mulheres na tecnologia precisam lidar com mais do que “tetos de vidro”: sua principal preocupação parece ser “o degrau quebrado” em sua carreira. Este termo, após um estudo de cinco anos da McKinsey & Company e Sheryl Sandberg através do LeanIn.org, explica como as mulheres em empregos de tecnologia de nível básico são menos propensas a serem promovidas ao primeiro nível de gerência. 

Diversidade de gênero na TOPdesk

Obviamente, a TOPdesk não é exceção quando se trata dessas questões. Então, vamos ouvir as mulheres daqui de dentro: como elas vivenciam a diversidade de gênero na TOPdesk? 

Marloes Meijer trabalha na sede da TOPdesk em Delft, Holanda. Embora sua equipe de desenvolvimento seja composta igualmente por homens e mulheres, o departamento em que Marloes trabalha é menos diversificado: 

“Quando digo às pessoas que 50% dos desenvolvedores da minha equipe são mulheres, elas geralmente ficam chocadas. Na TOPdesk, esse equilíbrio não é tão incomum, embora alguns departamentos fiquem para trás quando se trata de diversidade de gênero. Veja nosso departamento de desenvolvimento de produtos: sou uma das duas únicas Product Owners, dentre os dezesseis que temos do sexo masculino. Isso às vezes parece estranho”, diz Marloes. 

E o teto de vidro ainda não está totalmente quebrado. As mulheres da TOPdesk geralmente precisam provar seu valor ao interagir com os clientes, enquanto seus colegas de trabalho não. Everdien Kolk, agora da equipe executiva, viu isso acontecer com muita frequência em seus dezesseis anos na TOPdesk: 

Os clientes geralmente presumiam que as colaboradoras de suporte do sexo feminino não conseguiam responder a perguntas tecnicamente complexas. Da mesma forma, alguns clientes só levariam a sério as consultoras do sexo feminino se tivessem formação técnica, enquanto os consultores do sexo masculino eram levados a sério desde o início, independentemente de seu cargo.

Isso, por sua vez, limita o número de mulheres disponíveis para promoção em níveis mais altos de gerenciamento – e é por isso que a maioria das equipes executivas de tecnologia ainda é composta pelos mesmos homens brancos. Sem surpresa, mulheres que não são brancas, mulheres trans e pessoas não-binárias são ainda menos propensas a serem promovidas em tecnologia. 

Representatividade importa

Embora o fenômeno do degrau quebrado também afete a TOPdesk, nossa equipe executiva atual é composta por três mulheres e dois homens. Marloes acha que essa representação realmente faz a diferença: 

 

“Eu admiro essas mulheres na alta administração porque elas me motivam a pensar grande e seguir meus sonhos. Ver essas mulheres prosperando em um ambiente tão masculino é especialmente inspirador”, diz ela. 

 

Laura Domingo Guillen, da equipe de marketing da TOPdesk Austrália, concorda com Marloes: “Ver a representação feminina na equipe executiva me deixa confiante sobre a promessa da TOPdesk de melhorar a diversidade de gênero”. 

 

E as coisas estão melhorando para as mães que trabalham também. Kim Suzanne Stumpf, que lidera a equipe de suporte da TOPdesk Alemanha, descobriu que conseguiu avançar em sua carreira apesar de ter filhos – o que nem sempre é garantido, especialmente na Alemanha. “Passei de colaboradora de suporte para liderar toda a equipe de suporte, enquanto trabalhava meio período para cuidar dos meus filhos”, explica Kim. 

Preenchendo as lacunas

Ainda assim, temos um longo caminho a percorrer. E é dever das empresas de tecnologia preencher essa lacuna de gênero. Então, como a TOPdesk pode se comprometer com mudanças duradouras? 

 

Sofie Drijver, membra da equipe executiva responsável pelo marketing global, vendas e consultoria, acha que não devemos nos tornar complacentes: “As empresas podem desenvolver pontos cegos. É por isso que devemos sempre priorizar a diversidade de gênero e garantir que mantemos a mente aberta para nossas próprias deficiências.” 

 

Laura concorda. Segundo ela, “viver em uma sociedade tão acelerada significa que sempre há espaço para melhorias no que diz respeito à diversidade de gênero”. 

 

Embora nossos departamentos de recrutamento passem por treinamento de preconceito inconsciente e o processo de contratação da TOPdesk se concentre no potencial de um candidato e não em seu histórico, um ponto cego pode ser nosso foco no ajuste cultural. Como a tecnologia é um setor dominado por homens, é mais do que provável que os recrutadores inconscientemente vejam outros homens como tendo uma cultura mais adequada para determinadas equipes do que mulheres (trans), mulheres não brancas ou pessoas não-binárias. 

 

Marloes reconhece isso: “Precisamos garantir que nenhum preconceito se infiltre no processo de contratação. Espero receber mais Product Owners do sexo feminino no departamento em breve!” 

Diversidade com inclusão

Everdien acha que devemos nos concentrar em contratar mais mulheres negras: “Nossas filiais holandesas têm poucas mulheres negras, especialmente quando você compara com a demografia das cidades em que nossos escritórios estão localizados. Isso é algo que devemos melhorar”. 

 

Mas sem inclusão, a diversidade não significa nada. A defensora da diversidade Vernā Myers explica que “a diversidade é ser convidada para a festa. A inclusão é ser convidada a dançar.” Sim, precisamos contratar mulheres (trans), mulheres não brancas e pessoas não-binárias. Mas o próximo passo é garantir que o ambiente seja inclusivo o suficiente para que talentos tão diversos prosperem. 

 

Evidentemente, a indústria de tecnologia tem muito trabalho a fazer para preencher a lacuna de gênero. a TOPdesk leva isso muito a sério.  

 

Descubra como estamos comprometidos em criar e manter um local de trabalho que incentive a diversidade, a inclusão e o pertencimento para todos neste blog sobre Responsabilidade Social Corporativa na TOPdesk. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Teste nossa solução de Service Desk gratuitamente!

OU

Compartilhe este artigo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on skype
Share on whatsapp

Artigos Relacionados:

ITSM

Por que adotar uma solução ITSM baseada em nuvem?

O ITSM baseado em nuvem ganha cada vez mais relevância no universo corporativo quando o assunto é melhorar a gestão da empresa. Saiba mais sobre os benefícios das soluções SaaS.