O futuro do trabalho em TI já começou

futuro do trabalho
Emanuella Velez

Emanuella Velez

Top Voice LinkedIn 2020

A pandemia modificou radicalmente as relações e podemos dizer que o futuro do trabalho já chegou. No lugar do profissional ir para o escritório e cumprir horários, ele cumpre tarefas e se compromete a entregar resultados. O novo trabalhador é o chamado nômade digital, que não só pode trabalhar de outra cidade, bem como de outro país. Há, inclusive, locais que criaram vistos específicos para essa finalidade, como por exemplo é a Estônia. Uma grande evolução do modelo tradicional que conhecíamos até então no Brasil.

Para saber mais sobre o futuro do trabalho, acompanhe nossa entrevista exclusiva:

Conversamos sobre o tema com Emanuella Velez, psicóloga organizacional, consultora de recursos humanos e Top Voice LinkedIn 2020. Ela ainda é analista comportamental e possui formação em Coaching Professional e Life. Confira o que ela nos contou sobre o futuro do trabalho:

TOPdesk: Que mudanças os profissionais precisam enfrentar no próximo ano, diante de um cenário no qual o mercado de trabalho será a cada dia mais exigente, flexível e digital?

Emanuella Velez: A depender da cultura organizacional e o tipo de empresa que este colaborador está inserido, o novo normal como vem sendo chamado, traz aspectos positivos e negativos. Falando sobre os positivos, é possível ter uma maior qualidade de vida se o ambiente organizacional e a liderança compreenderem o trabalho e a forma de gestão à distância. Ainda, os profissionais terão mais autonomia e poderão trabalhar com metas e resultados. Além disso, nessa modalidade é possível fazer o seu próprio horário, já que não há controle de jornada, proporcionando mais tempo para a família e para o lazer, graças à inexistência de deslocamento para o trabalho e uma maior produtividade.

 

Em relação aos pontos negativos, como citado anteriormente, é preciso que a empresa tenha maturidade para este tipo de trabalho. Do contrário, poderá gerar um ambiente de cobranças com baixa produtividade, pois muitos líderes não sabem como fazer a gestão dos seus colaboradores sem estar no mesmo ambiente físico. Se o colaborador não tiver um autogerenciamento, poderá facilmente se distrair com TV e aplicativos, por exemplo. Além disso, para alguns o contato com o ambiente de trabalho e estar em grupo é um fator primordial para o bom desenvolvimento do ofício. Ademais, nessa modalidade existe  a possibilidade de não se ter o conforto adequado e o sigilo das informações não funcionar da mesma forma. Por isso, é importante que as empresas se adequem a esta realidade, mas também preparem os seus colaboradores e invistam em saúde e bem-estar.

TOPdesk: Quais os principais aspectos comportamentais que esse novo profissional deve desenvolver para se preparar par o futuro do trabalho?

Emanuella Velez: Muitos aspectos precisarão ser aprimorados para que os profissionais continuem ativos no mercado e tendo seu espaço. Dentre as exigências comportamentais podemos citar a adaptabilidade, criatividade e o autoconhecimento.
A adaptabilidade é uma característica necessária para o profissional do futuro. Processos mudam constantemente e as novas gerações que estão entrando no mercado – Geração Z – são bem mais tecnológicas. Nesse sentido, será preciso compreender a nova linguagem, além de se adaptar aos métodos ágeis. Outro fator chave é criatividade, que significa buscar soluções, propor e pensar literalmente fora da caixa. Trata-se de uma habilidade que pode ser desenvolvida e com certeza será um diferencial competitivo. E o autoconhecimento, pois é preciso saber quais os limites profissionais e pessoais. É necessário entender o que gosta e o que dá prazer. Sem isso a carreira poderá ser desenvolvida apenas por dinheiro e no final das contas não haverá realização profissional.

TOPdesk: Como a prática do home office afeta a rotina, produtividade e o trabalho de maneira geral dos profissionais?

Emanuella Velez: O home-office muda a forma de gerenciar, de fazer reuniões, de estar no trabalho e em casa ao mesmo tempo. Ainda assim, é importante saber separar essas questões e dar resultado. Por isso, os profissionais podem utilizar o planejamento e a organização, para ajustar a sua rotina.

Alguns profissionais infelizmente estão desenvolvendo crises de ansiedade e questões de saúde diante dessa nova realidade, por isso é preciso entender que existem cobranças que são reais e necessitarão de um empenho maior. Mas se houver uma programação, seja ela por meio de separação por demanda ou por prioridade, o resultado há de acontecer. Trabalhar com um plano de ação também é uma alternativa. Afinal, muitas vezes algo pode não sair conforme o desenhado e é sempre bom ter outras opções. Além de buscar atividades que contribuam para o bem-estar e que não precisam necessariamente de orçamento para serem executadas – reconhecimento do colaborador, flexibilidade no trabalho, ações de endomarketing  e claro, uma liderança humanizada.

O que ocorre é que a ferramenta digital pode somar ao trabalho humano. Por exemplo, no caso do atendimento de um cliente por um chatbot, no qual o robô acaba fazendo uma recepção inicial e oferecer algumas soluções de autoajuda"

TOPdesk: Como o profissional deve se adequar  para que as máquinas não tomem seu espaço?

Emanuella Velez: O profissional precisará atualizar-se constantemente e buscar meios de qualificação. Além de que, buscar compreender como a tecnologia pode impactar o cargo que ocupa atualmente é uma forma de se preparar e prever o mercado. Fazer pesquisas, aprender e começar a pensar em transformar a realidade é o primeiro passo para quem quer fazer a diferença, independentemente da área de atuação.

Além disso, existem atividades mais complexas e criativas a qual as máquinas dificilmente poderão substituir os humanos. O que ocorre é que a ferramenta digital pode somar ao trabalho humano. Por exemplo, no caso do atendimento de um cliente por um chatbot, no qual o robô acaba fazendo uma recepção inicial e oferecer algumas soluções de autoajuda, mas caso seja uma questão complexa, esse robô pode escalar o atendimento para uma pessoa que possa resolver o problema.

TOPdesk: Qual o papel dos novos profissionais de TI em um cenário no qual eles passam a ser agentes inovadores e se tornam mais estratégico?

Emanuella Velez: Os profissionais de TI atuarão como facilitadores e impulsionadores da mudança, pois são responsáveis também por entender como funciona o mercado em relação as novas tecnologias e trazer essa visão primordial de mudança para o ambiente organizacional. Um profissional que está atento as demandas e está atualizado, trará novos insights e atuará como parceiro estratégico do negócio, já que as empresas que não se ajustarem ficarão literalmente para trás.

Essa área terá ainda mais relevância e contribuirá em mostrar os desafios e benefícios da transformação digital e de mostrar o que é necessário para essa mudança.

TOPdesk: Como os novos profissionais de TI pode fazer a diferença na empresa que trabalha?

Emanuella Velez: Uma das formas é mostrar para a empresa a diferença de custo e investimento das operações digitais. Os profissionais de TI podem atuar de forma estratégica e utilizar a linguagem de empresário para mostrar que com o uso da tecnologia é possível reduzir custos, os processos podem se tornar mais eficientes e a custos melhores. O que deve gerar profissionais mais produtivos e com maior flexibilidade para atender outras demandas que não sejam apenas operacionais.

TOPdesk: Quais as novas competências para os profissionais de tecnologia no novo cenário, no qual eles passam a ter muito mais relevância para todas as áreas das empresas?

Emanuella Velez: Os profissionais da área de TI além de ter o conhecimento técnico para atuar na função, precisarão também saber analisar e propor soluções, ter flexibilidade e se adaptar às mudanças constantes e aos desafios impostos pelas várias realidades das empresas e do próprio mercado, além de conhecer sobre segurança de dados e ter também inteligência emocional.

 Quer saber como se sobreviver no universo cada vez mais digitalizado e se
adaptar para o futuro do trabalho? Leia nossa entrevista com um especialista no assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe este artigo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on skype
Share on whatsapp

Compartilhe este artigo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on skype
Share on whatsapp

Artigos Relacionados: